Sexta-feira, 11 de Abril de 2008

TENTATIVAS DE RECONCILIAÇÃO

Como já tive oportunidade de referir antes, a forma como os casais discutem é muito informativa acerca do estado da sua relação. Se por um lado é verdade que todos os casais discutem e que até os casais mais satisfeitos se excedem pontualmente, também é verdade que quando a escalada de violência é recorrente é importante intervir.

 

Os estudos com casais felizes e duradouros têm proporcionado informações importantes acerca dos recursos usados em momentos de tensão. A partir dessas observações, alguns investigadores concluíram que as “tentativas de reparação” constituem uma ferramenta importante para travar a escalada. E o que são estas tentativas de reparação? Podem resumir-se a gestos ou frases que um dos membros do casal utiliza para serenar os ânimos. São, em termos práticos, tentativas de reconciliação que não implicam, necessariamente, a resolução do problema em questão. É como se o casal dispusesse de uma espécie de alarme que soa sempre que as discussões se aproximam de um nível de tensão perigoso.

 

O Hugo e a Marta foram desafiados a adoptar um cão. A mãe da Marta é dona de uma cadela que acabou de ter uma ninhada. A Marta ficou muito entusiasmada com a ideia, mas quando falou com o marido, percebeu que este não estava muito receptivo. Depois de cada um expor os seus argumentos, a tensão instalou-se. O assunto, aparentemente banal, deu lugar a uma discussão. A dada altura, no meio do nada, a Marta começou a enviar beijinhos ao marido. Da sua boca, em vez de argumentos a favor da adopção do animal, passaram a sair ruídos (“Chuac”) carinhosos. O Hugo riu-se do gesto da mulher e, então, ela riu também. Voltaram a conversar, mas a tensão, entretanto, baixara.

 

As tentativas de reparação nem sempre constituem processos de que os membros do casal têm consciência, mas são um recurso usado por todos os casais felizes. Nalguns casos, usar o humor, ou fazer um gesto pueril, como deitar a língua de fora, pode ser eficaz. Noutros casos, são verbalizações como “É melhor pararmos por aqui”, “Espera, preciso de me acalmar” ou “Assim estás a magoar-me” que faz parar a escalada. Não se trata de comportamentos premeditados, nem tão pouco generalizáveis a todos os casais. São, isso sim, códigos de comunicação intrínsecos a cada par.

 

Ironicamente, quanto maior é a crise em que um casal está mergulhado, maior é o número de tentativas de reparação frustradas. Muitas vezes, um dos membros do casal até emite mensagens aparentemente claras como “Peço desculpa pelo que disse há pouco, vamos tentar acalmar-nos”, mas estas revelam-se infrutíferas – o outro continua a usar um tom agressivo e a negatividade não pára de aumentar. Quando os problemas de comunicação se agudizam, a tensão toma conta do casal e qualquer conversa pode “descambar” numa discussão interminável. Dominados pela aceleração, pela raiva e, muitas vezes, pelo desprezo, os cônjuges não conseguem “ler” os sinais e atropelam todas as tentativas de reparação, sentindo-se progressivamente exaustos e frustrados.

 

Pelo contrário, os casais emocionalmente inteligentes são especialistas em usar estas tentativas de reparação e em lê-las.

publicado por Cláudia Morais às 11:00
link do post | favorito

❤ OS MEUS LIVROS

    O Amor e o Facebook

    "O Amor e o Facebook", Oficina do Livro, Setembro de 2011

    Sobreviver à  Crise Conjugal

    "Sobreviver à Crise Conjugal", Oficina do Livro, Fevereiro de 2004

❤ OS VÍDEOS

Participação no programa "A Tarde é Sua" (Tema: "Casais que estão juntos 24 horas por dia").

Continua AQUI


Participação no programa "A Tarde é Sua" (Tema: "Só tive uma mulher na vida").

Continua AQUI


Participação no programa "A Tarde é Sua" (Tema: "Histórias de vida").

Continua AQUI


Participação no programa "Você na TV" (Tema: "Violência nos jovens").

Continua AQUI


Participação no programa "A tarde é sua" (Tema: "Quando os homens sofrem por amor").

Continua AQUI

❤ NO FACEBOOK

❤ RESPOSTAS

❤ QUEM SOU EU


CLÁUDIA MORAIS

Psicóloga, Psicoterapeuta Familiar, Conjugal e Individual.

❤ CONSULTÓRIO

❤ COMENTÁRIOS

Este blogue respeita o princípio da confidencialidade. A publicação de testemunhos dos leitores depende da respectiva autorização.